A Arara Cantora

Ilustração de uma arara no centro da imagem com fundo verde. A arara é azul, com a barriga amarela. Seu grande bico cinza está aberto e o olho arregalado. As asas estão para frente, como se dançasse.

Você já ouviu dizer que o o direito de um termina quando começa o do outro? É isso o que a Arara cantora vai descobrir nessa história.

A arara cantora

Clique para ouvir a história:


Coleção estrelinha. A arara cantora, de Sônia Junqueira. Narração de Paulo Gonçalves.

Roteiro:
A Aurora é uma arara, e ela mora na floresta. A Aurora vive contente. Ela voa no meio das árvores, brinca no meio das flores, come frutinhos gostosos. E a Aurora vive cantando: “Arara, arara”.
Um dia a Aurora resolveu: “Ah, vou ser cantora”, e começou a ensaiar. A Aurora parou de voar, parou de brincar. Ela comia só um pouquinho e não parava de cantar. A Aurora cantava grosso: “Arara, arara”. A Aurora cantava fininho: “Arara, arara, arara”. A Aurora cantava alto: “Arara, arara, arara”. E a Aurora cantava baixinho: “ Arara, arara, arara”. Ninguém aguentava mais a cantoria da Aurora, mas a Aurora não parava: “Arara, arara, arara”.
A Aurora cantou o dia inteiro e cantou também a noite inteira. Aí ficou cansada e dormiu. Mas a Aurora acordou logo, ela só queria continuar a cantoria. Voou para o galho mais alto. E a bicharada reclamava: “ Xii, lá vem a Aurora, vai começar tudo de novo”. A Aurora então abriu as asas, abriu o bico. Então a Aurora cantou: “Ohoho, ohoho”. É, a Aurora estava rouca. A bicharada ficou contente e cantou alegremente: “A Aurora cantou tanto, a gente quase ficou louca. Agora que coisa boa, a Aurora ficou rouca”. Fim da história.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

2 Comentário(s)

  • by janice postado 07/06/2020 19:25

    cade a moral da historia?

    • by Turma do Plenarinho postado 08/06/2020 09:18

      Janice, essa história não é daquelas em que há uma moral destacadinha e fácil de entender. É algo que vai da interpretação de cada um. Aqui no Plenarinho, achamos que Aurora podia ter notado os sinais ao seu redor e dentro dela, mesmo – seu canto estava tão alto e contínuo que incomodava os outros bichos (e já começava a prejudicá-la, tanto que ela ficou rouca no dia seguinte). Será que ela não podia ter escolhido um horário e um local para cantar que fosse bom para todos? Será que, para ser cantora, ela precisa praticar tudo que puder de uma vez só ou pode se exercitar um pouco todos os dias? Se eu tenho um grande desejo, é justo que eu corra atrás dele não me importando com ninguém ao meu redor? Ficam as reflexões! Agora é a sua vez: na sua opinião, quais lições essa história poderia nos trazer? Abraços da Turma

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos