Dias da saúde!

Ilustração. Toda a Turma do Plenarinho está em frente a uma mesa cheia de comidas. Frutas, copos de suco, pratos com salada, arroz, feijão e ovo. Atrás deles, uma mulher morena de cabelos cacheados castanhos na altura dos ombros, grandes olhos castanhos olha para as crianças e sorri. Ela veste jaleco branco sobre camiseta verde.

Ficar doente não tá com nada, deixa a gente sem energia, não é mesmo? É por isso que a Turma do Plenarinho aproveita as datas ligadas à saúde – Dia Mundial, celebrado em 07 de abril e Dia Nacional da Saúde, 05  de agosto – para chamar a atenção sobre alguns perigos!

Mas, o que é saúde?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a saúde é o mais completo estado de bem-estar físico, mental e social, e não a simples ausência de doença. Isso quer dizer que uma pessoa saudável não é aquela que não está doente, mas a que tem o corpo e a mente funcionando em harmonia, desempenhando os papéis que cabem a cada um, com disposição e vitalidade.

E como todo mundo sabe, ter uma boa alimentação, dormir oito horas diárias, fazer higiene pessoal (tomar banho, escovar os dentes, etc) e fazer exercícios físicos são hábitos importantes para ser saudável. Mas não é só isso, a OMS – Organização Mundial de Saúde – diz ainda que além desses cuidados, toda criança tem que ter acompanhamento médico.

Alguns vilões da saúde

Quem são eles? São os agrotóxicos colocados em nossos alimentos, produtos químicos presentes em muitos produtos que usamos no nosso dia-a-dia e também no ar que respiramos. De acordo com uma pesquisa realizada pela OMS, eles fazem muito mal à saúde das crianças. E o que é pior, como são praticamente invisíveis, nem dá para perceber. Por isso são tão perigosos.

Segundo o doutor Terri Damstra, que foi o líder da Unidade Interregional de Pesquisa da OMS, essa descoberta vai ajudar a tratar e melhorar a saúde das crianças. “Crianças não são só pequenos adultos. Elas são vulneráveis e respondem diferentemente dos adultos à exposição aos fatores do meio ambiente, e as respostas variam de acordo com o período de desenvolvimento da criança”, explicou.

E ele ainda dá alguns exemplos: “quando as crianças nascem, os pulmões delas são pouco desenvolvidos, e enquanto ela cresce, o desenvolvimento pode ser alterado pelos poluentes do ar. Quando se tornarem adultas, elas podem até ter doenças crônicas de respiração”, alertou o doutor.

Os perigos invisíveis

Ar e água contaminados, pesticidas na comida, veneno no solo onde são cultivadas as plantas podem atrapalhar o crescimento das crianças e provocar muitas doenças. Na verdade, a OMS alerta que três em cada dez crianças ficam doentes por causa desse tipo de problema. E, às vezes, essas doenças só são se manifestam na vida adulta.

Triste realidade

Existem crianças que ainda hoje nascem em um ambiente sem higiene, em casas sem água potável – que pode ser consumida pelas pessoas – e sem esgoto. Isso acontece em regiões bastante pobres, onde o acesso à educação e a um bom serviço de saúde também não acontecem. Nesses casos, a pesquisa mostrou que uma em cada cinco crianças não passa do quinto aniversário.

A saúde é o nosso bem mais precioso. Vamos preservar a natureza e a vida!

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos