Hino Nacional na ponta da língua

Ilustração com fundo em tons de laranja e amarelo. No centro, Zé Plenarinho está de olhos fechados e uma das mãos sobre o lado esquerdo do peito. Ele canta um trecho do Hino Nacional.

A Turma do Plenarinho já sabe que ouvir, tocar e cantar o hino é festejar o Brasil, valorizar esta terra querida!
O “Virundum”

Momentos antes de começar uma partida da seleção brasileira de futebol, a emoção toma conta dos corações verde-amarelos. É hora da execução do Hino Nacional. Só que, além de darem uma leve desafinada na música, muitos torcedores cometem cada deslize na letra! Plácidas, retumbante, fúlgidos, impávido colosso… Essas e outras palavrinhas enrolam a língua de muita gente boa e fazem aparecer os tais “virunduns” (quando as pessoas não entendem bem a letra da música e dão uma disfarçada, pronunciando palavras trocadas, sem sentido, como “virundum”, em vez de “Ouviram do Ipiranga”…)!

Estilo do século passado

Mas pra que tanto termo complicado? Na verdade, a letra do Hino Nacional tal qual conhecemos hoje foi escrita em 1909 pelo poeta Osório Duque Estrada, e só foi oficializada em 1922, pelo presidente Epitácio Pessoa. A música do hino foi composta bem antes, em 1822, por Francisco Manuel da Silva, para comemorar a Independência do Brasil.

O palavreado difícil, pouco comum à nossa fala do dia-a-dia, vem de um estilo poético do começo do século passado. Vemos versos enfeitados e na ordem invertida (exemplo: em vez de “As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico”, o poeta preferiu escrever “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante”). A linguagem poética era mais trabalhada do que a comum e, por isso, estranhamos tanto a letra do hino.

Significado da letra
Atendendo ao pedido de alguns Plenamigos, vamos explicar a letra do Hino Nacional. Afinal, precisamos saber direitinho o que quer dizer a música que representa a nossa pátria, não é? Na pesquisa, usamos o livro Para compreender o Hino e os Símbolos Nacionais, escrito pela professora Margarida Patriota e publicado pela Editora Saraiva. Você vai ver que o nosso hino é uma verdadeira aula de história e uma bela declaração de amor ao Brasil!

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante,
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,
Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

A primeira parte do nosso hino explica que, no dia 7 de setembro de 1822, as calmas margens do rio Ipiranga, em São Paulo, ouviram o grito da Independência, proclamado por Dom Pedro I. E foi ouvido o grito forte do valente povo brasileiro. Nesse instante, no céu da Pátria, o sol da liberdade brilhou em raios intensos.

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte,
Em teu seio, ó Liberdade,
Desafia o nosso peito a própria morte!

Se conquistamos, com o braço forte, a garantia da igualdade política com Portugal, agora que somos livres e independentes, que conhecemos a liberdade, lutaremos até a morte por ela. O poeta dirige-se à liberdade como se ela fosse uma pessoa: “em teu coração, ó Liberdade, o nosso peito é capaz de desafiar a própria morte”.

Ó Pátria amada,
Idolatrada,
Salve! Salve! (Refrão)

O poeta fala com a Pátria como se ela fosse uma pessoa: “Ó Pátria amada, eu te amo. Viva! Viva! Tenha sempre saúde”.

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à Terra desce,
Se em teu formoso céu, risonho e límpido
A imagem do Cruzeiro resplandece.

O poeta fala diretamente ao País: “Brasil, quando a imagem do Cruzeiro do Sul brilha em teu belo céu risonho e límpido, um sonho intenso, um raio ardente de amor e de esperança desce à Terra”. O Cruzeiro do Sul é um grupo de estrelas em forma de cruz que só pode ser visto no céu do Hemisfério Sul, e está sempre presente no céu do Brasil.

Gigante pela própria natureza,
És belo, és forte, impávido colosso,
E o teu futuro espelha essa grandeza.

O Brasil é o quinto país do mundo em tamanho; portanto, já é um gigante pela própria natureza de seu território. Além disso, é belo, graças às matas, rios, praias, cachoeiras, belas paisagens que contém. É forte, porque tem muitas riquezas naturais. E no futuro, nossa história vai refletir, como um espelho, essa grandeza natural.

Terra adorada
Entre outras mil,
És tu, Brasil,
Ó Pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Pátria amada,
Brasil!

A nossa pátria é uma mãe gentil para com seus filhos brasileiros e muito amada por eles.

Deitado eternamente em berço esplêndido,
Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Fulguras, ó Brasil, florão da América,
Iluminado ao sol do Novo Mundo!

O nosso país está deitado em berço esplêndido, isto é, fica muito bem localizado: metade de nossa terra ouve o embalo das ondas do mar; outra metade está emendada à Cordilheira dos Andes e a diversos países da América do Sul. No continente, o Brasil brilha como um florão (espécie de enfeite de pedras preciosas), banhado pelo sol do continente americano.

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores.
“Nossos bosques têm mais vida”,
“Nossa vida” em teu seio “mais amores”.

O homem garrido era um sujeito elegante, charmoso, bonito. Naquele tempo, também se usava dizer que um lugar agradável era risonho. Nesse trecho, o poeta situa nossa terra entre as regiões mais belas do planeta. Diz ainda que nossos campos são mais floridos, nossos bosques são mais ricos e nossa vida é mais amorosa (como já cantava o poeta maranhense Gonçalves Dias no poema “Canção do exílio”).

(Refrão)

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado,
E diga o verde-louro desta flâmula
Paz no futuro e glória no passado.

O poeta quer que as estrelas estampadas na bandeira nacional sejam símbolo de amor eterno. Daí faz votos para que o verde e o amarelo da bandeira possam um dia indicar que o futuro do Brasil será de paz, assim como seu passado foi glorioso.

Mas, se ergues da justiça a clava forte,
Verás que um filho teu não foge à luta,
Nem teme, quem te adora, a própria morte.

O poeta deseja amor e paz. Mas se o País tiver de entrar em guerra por motivo de justiça, certamente os brasileiros enfrentarão a luta, sem vacilar em arriscar a vida pela pátria.

Agora, solte a voz

Se você ainda tem dúvida quanto ao significado exato de algumas palavras do Hino, clique aqui, que montamos um glossário para ajudar. E quando você já estiver craque, sabendo o hino de cor e salteado, solte a voz com a nossa Turma.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

2 Comentário(s)

  • by GILMAR DA SILVA postado 07/03/2019 00:02

    Ótima explicação. Parabéns

    • by Turma do Plenarinho postado 07/03/2019 12:26

      Que bom que gostou, Gilmar! Obrigado pelo retorno. Abraços da Turma!

Comente!

Deixe uma resposta para GILMAR DA SILVA Cancelar resposta

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos