Isolamento social: precisa ou não?

Ilustração. Xereta está debruçada em uma janela e olha para fora com expressão séria. Da cabeça dela sai um balão de pensamento e, dentro dele, a imagem da Turma do Plenarinho brincando.

O isolamento social é apontado por especialistas de todo o mundo como uma das principais medidas para reduzir a velocidade de contágio da COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Mas é claro que só ficar em casa sem poder ir para a escola, brincar lá fora ou encontrar os amigos não é nada fácil e acaba gerando muita insatisfação. E muita gente até se pergunta: Será que todo esse cuidado é mesmo necessário?

Agora a resposta é sim. Deixar o máximo possível de pessoas em casa é importante para “achatar” a chamada curva de contágio do vírus. Mas como isso funciona? Cada infectado (tendo ou não sintomas da doença) pode contaminar entre 2 e 4 pessoas, em média. Então, se diminuirmos a circulação de gente nas cidades, reduziremos também a circulação do vírus. Assim, quem está doente pode sarar sem que as demais pessoas fiquem doentes ao mesmo tempo. Já pensou, conseguir leitos nos hospitais para a população de uma cidade inteira? É impossível!

Além disso, se todos ficam em casa sem se contaminarem, dá tempo também para pesquisadores testarem vacinas e medicamentos para enfrentar a nova doença.

“Do ponto de vista científico-epidemiológico, o distanciamento social é fundamental para conter a disseminação do novo coronavírus. Quando a COVID-19 chega à fase de franca disseminação comunitária, a maior restrição social, com fechamento do comércio e da indústria não essencial, além de não permitir aglomerações humanas, se impõe. Por isso, esta medida está sendo tomada em países europeus desenvolvidos e nos Estados Unidos. Ficar em casa é a resposta mais adequada para a maioria das cidades brasileiras neste momento, principalmente as mais populosas” reforça o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Clóvis Arns da Cunha, em nota oficial da entidade.

É importante lembrar que uma epidemia é dinâmica. Então as recomendações podem mudar ao longo do tempo, à medida que o número de casos aumenta e que novos conhecimentos científicos são publicados. A ciência tem trabalhado intensamente para superar esse novo desafio! E todos precisamos colaborar.

Por enquanto a regra é: fique em casa! E conte pra gente o que você tem feito para estar bem nesse período. Você pode enviar seu texto ou foto para o e-mail plenarinho@camara.leg.br. Nas redes sociais, use a hashtag #quarentenacomoplena pra gente ver!

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

2 Comentário(s)

  • by Giovanna Sousa postado 04/05/2020 11:37

    Olá,turma do plenarinho!
    Meu nome é Giovanna e faço parte da ONU e queria saber se vocês tem mais revistinhas para encomendar,pois irei dar sugestão de darmos á crianças sem moradia um passatempo!Se concordarem me respondam!

    Abraço da ONU!
    ASS:Giovanna Sousa

    • by Turma do Plenarinho postado 04/05/2020 12:30

      Boa tarde, Giovanna, como você fala em nome de um organismo internacional, é melhor que você entre em contato com uma instância superior da Casa, como a Presidência da Câmara dos Deputados. De todo modo, neste momento, os envios de publicações do Plenarinho estão suspensos devido à pandemia da COVID-19. Não temos como fazer qualquer remessa. Abraços da Turma!

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos