Confira como ficou a história: O primeiro dia de aula

Lançamos o desafio para os leitores continuarem a história escrita pelo escritor mirim Akanni Alves. Tivemos muitas respostas e o próprio Akanni escolheu o resultado. O ganhador é Gabriel Sanches Diniz. Vamos ver como ficou a história dele?

O primeiro dia de aula

Era um final de tarde nublado quando Léo voltou para casa. Era o último dia das férias de meio de ano do garoto e ele estava muito ansioso para voltar a escola no dia seguinte, após aqueles 31 longos dias.

Léo não tinha ido bem na escola no primeiro semestre, tinha tirado as notas mais baixas da turma e estava preocupado em repetir de ano, tinha medo de pensar como sua mãe iria reagir. Ela era a única que cuidava dele, pois seu pai o havia abandonado quando ele tinha 3 anos e nunca mais voltou. Quando chegou na sua casa, tomou banho, colocou o pijama e foi para sala assistir seu programa preferido na TV. Depois foi dormir.

No dia seguinte, Léo acordou cedo, tomou banho, se arrumou, tomou café e pegou o ônibus escolar. Chegando à escola, teve uma surpresa: viu alguns de seus amigos fazendo uma pichação no muro da escola e foi lá falar com eles. Quando chegou ele disse:

— Galera o que estão fazendo? Isso é vandalismo!

Quando Bruno, amigo de Léo ia responder, avistou o diretor da escola caminhando furioso até eles. Na mesma hora, deu o spray para Léo e saiu correndo. Quando o diretor chegou e viu Léo segurando a latinha, levou-o imediatamente para a diretoria.

Quando chegou lá, o diretor…

(Daqui em diante, o autor é o Gabriel Sanches Diniz)

Quando chegou lá, o diretor disse para Léo:

– Sente-se.

Ainda furioso, continua:
– Você me arruma uma dessas no primeiro dia de aula?
– Mas…não fui eu.
– Como não? Eu te vi, sozinho lá.

Então Léo contou tudo o que tinha acontecido, mas, mesmo assim o diretor não acreditou nele.
– Olha Leonardo, por mais que você diga que não foi você, não temos provas para provar o contrário, chamarei sua mãe para conversarmos sobre isso e também sobre o semestre passado.

Leonardo saiu da sala do diretor com medo, porque agora sua mãe saberia do seu desempenho no semestre passado, e além disso, ficaria sabendo que estava fazendo uma pichação mesmo não tendo feito aquilo.

Léo chegou em casa, tomou banho, se arrumou e foi conversar com sua mãe.
– Mãe
– O que foi Léo?
– Hoje cedo eu estava descendo do ônibus e vi meus amigos fazendo uma pichação no muro da escola, fui falar para eles pararem porque aquilo era vandalismo, mas o Bruno viu o diretor vindo e me deu a latinha e saiu correndo. E agora o diretor quer que você vá lá na escola conversar com ele.
A mãe de Léo percebeu que ele não estava mentindo, então só disse para ele.
– Não se preocupe, vou conversar com ele, sei que não foi você.
– Mãe tenho outra coisa para te dizer, no semestre passado eu tirei as piores notas da sala… e estava com medo de te dizer, porque não saberia sua reação.
– Olha isso não tem como deixar assim, terei que dar um castigo para você, mas vai ser diferente, você vai usar o tempo que você usava para ver seu programa favorito de TV para estudar, além de reservar um tempo toda tarde para isso.

Já era de tarde e Leonardo queria saber por que Bruno fazia isso, então decidiu ir na casa dele. Quando chegou lá, viu Bruno sentado na frete da casa dele, parecia triste então foi falar com ele.
– Bruno? você está bem?
– Oi, Léo… mais ou menos, minha mãe e meu pai estão brigando muito, não sei o que fazer às vezes eu fico meio triste e faço pichações, é como se fosse uma terapia, me faz ficar mais calmo. Eu queria te pedir desculpas, fiquei com medo naquela hora e te dei a latinha.
– Tá tudo bem, minha mãe me entendeu mas o diretor não.

Naquele momento, a amizade de Leonardo e Bruno ficou melhor porque antes eles só se conheciam tipo aquela pessoa que você vê e fala oi uma vez na semana. Parecia que Bruno estava realmente se desculpando, então Léo decidiu ajudá-lo dizendo.
– Olha, pichação é vandalismo, não faça mais isso tá! Procure outra coisa para te acalmar tipo… estudar, desenhar, tocar algum instrumento musical…
– Obrigado Léo! Você está me ajudando muito, vou me preocupar mais com meus estudos.
– Olha dá para nós dois estudarmos juntos! Estou precisando melhorar minhas notas, eu posso ajudar você.
–  Então tá, nos vemos amanha na escola.

Léo chegou em casa tomou banho se arrumou, estudou um pouco, mas, como o dia tinha sido cansativo, foi dormir cedo. No outro dia, quando chegou na escola viu que Bruno estava conversando com o diretor, esperou ele terminar e foi falar com ele.
– Oi, Bruno!
– Ah, oi, Leonardo.
– O que você estava dizendo para o diretor?
– Depois que você foi embora, decidi que não iria deixar você como culpado pelo que eu fiz então falei a verdade para o diretor, ele entendeu e disse que eu não precisava mais me preocupar com aquilo e que não era mais para fazer pichações no muro da escola.
– Nossa, muito obrigado!

Naquele momento tudo estava resolvido, agora Leonardo e Bruno eram amigos, Léo melhorou suas notas e ajudou Bruno a passar por aquela fase difícil da vida dele, e ainda o ensinou que pichação é crime. E agora ele aprendeu que um simples problema ou um mal entendido tinha criado uma amizade, reviravoltas, mas no fim tudo tinha dado certo.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

30 Comentário(s)

  • by mariana dos santos bezerra postado 25/07/2018 17:12

    E Leu ficou suspenso ate a prosima semana e o profesor comversou com a mae e quando chegaram en casa a mae pergumtou a Leu Porque avia feito aquilo e Leu esplicou tudo a mae e no dia segimte a mae foi comversar com o profesor e o pro fesor entendeu tudo e tirou Leu da suspensao e recolocou o verdadeiro clupado desa istoria

    • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:51

      TEXTO DE ELLEN CORREA – PRIMEIRA PARTE:
      Se acento em sua cadeira com uma cara rancorosa, eu Léo estava trêmulo nas pernas, me assentei em uma cadeira à frente do diretor, quando estava me assentando diretor pegou uns papeis nas mãos e se pronunciou:
      – então o senhor estava pichando o muro da escola senhor… Leonardo Alberti, Você sabe que isso é crime?
      – senhor diretor não foi e…
      – vai me falar que não foi você? Eu vi com os meus próprios olhos- ele falou com um tom meio nervoso.
      – mas não foi – me levanto da cadeira indignado e fico com as duas mãos apoiado em sua mesa – olha diretor eu fui questionar alguns colegas meus que estavam pichando o muro e eles correram e me entregaram a latinha, logo depois o senhor chegou.
      – então me explique por que quando eu cheguei você ficou sem reação?

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:51

    TEXTO DE ELLEN CORREA – SEGUNDA PARTE:
    -eu não sei ta? Eu só não sabia o que fazer…
    – Leonardo pelo que vejo você era um ótimo aluno, mas suas notas deram uma certa caída bimestre passado, e agora vandalismo, você esta tendo alguns problemas? Talvez em casa ou com colegas de turma… Ou talvez seja com garotas? Namoradinha?
    Não acredito que estava escutando aquilo. É serio isso? Cadê as câmeras? Eu só posso estar em alguma pegadinha… Daqui a pouco minha vó entra pela aquela porta falando que eu sou um príncipe de um reino distante e me leva embora.
    -você não vai falar nada?

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:51

    TEXTO DE ELLEN CORREA – TERCEIRA PARTE:
    Apenas continuei em silêncio.
    – ok… Senhor Leonardo espero que o senhor esteja ciente que sua historia não é muito convincente e que não poderei fazer nada a respeito sobre a questão, apenas aplicar a devida correção, o senhor ficara suspenso durante uma semana para pensar no ocorrido, e também irei chamar seus responsáveis, e blá blá blá
    Não ouvi o restante, provavelmente minha mãe ficaria furiosa, então pensativo sobre como explicaria a situação para minha mãe, fiquei olhando fixamente para janela.
    – estamos entendidos?
    Sai dos meus pensamentos e apenas acenei com a cabeça fazendo que sim, sai de sua sala e fui para casa…

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:52

    TEXTO DE ELLEN CORREA – QUARTA PARTE:
    minha mãe estava assentada na mesa com o celular na mão, e eu já sabia o porquê, ela me deu um sermão que praticamente estava me matando ela sabe muito bem usar palavras de efeitos, finalmente acabou e pude ir para meu quarto, me tranquei e me joguei na cama, fiquei mexendo no celular e ouvindo o silencio que prevalecia naquela casa. Não me lembro exato a hora que dormir, eu só me lembro de acordar com meu braço dormente e todo babado, fui ao meu celular ver à hora.No mesmo instante recebi uma mensagem do bruno, me convidando para eu ir à praça…

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:52

    TEXTO DE ELLEN CORREA – QUINTA PARTE:
    Pensei muito e decidi ir, pois precisava conversar com o Bruno. Quando cheguei lá já percebi o que estava acontecendo, estava todo mundo muito louco talvez por drogas ou bebidas não saiba ao certo, mas quando eu estava procurando o Bruno uma menina veio em minha direção e começou a me oferecer uns trecos que nunca vi na minha vida, é incrível como pessoas tão novas entram nesse mundo e de dar pena, eu sinceramente fiquei curioso pra saber o que era, mas não aceitei,porque sabia que aquilo iria me trazer só coisas ruins, tentei sair de lá mas ela ficava insistindo então fiquei sem paciência e peguei o que ela tinha em suas mãos, apenas para sair de lá, quando avistei a lixeira já estava indo em sua direção pra jogar o saquinho lá mas uma luz forte bateu na minha cara e me fez desviar o olhar da lixeira.

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:52

    TEXTO DE ELLEN CORREA – SEXTA PARTE:
    Era a policia… fui direto para delegacia, logo depois minha mãe chegou, eu já vi sua cara de decepção, fui para casa e tive uma conversa com a minha mãe muito seria sobre meu futuro, fiquei tão furioso durante a conversa, porque eu explicava pra ela que eu nunca fiz aquilo mas ela não acreditava em mim, então apenas sai de casa e fui para casa do bruno, quando cheguei lá o bruno me convidou para dar uns roles com ele, já estava tarde mas eu estava nem ai. Resumidamente nós saímos e eu comecei a me envolver com tudo que é de errado, eu não soube muito bem escolher as minhas amizades e me arrependo muito disso…

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:53

    TEXTO DE ELLEN CORREA – SÉTIMA PARTE:
    Passou-se alguns meses… Eu e meus “amigos” decidimos que iríamos assaltar uma loja, porque não estávamos, mas tendo dinheiro para as nossas “diversões”, mas o plano deu tudo errado e a policia chegou ao local e fui tiro pra tudo que era lugar, eu estava completamente arrependido por ter feito aquilo, mas já era tarde demais então eu tentei fugir de lá, mas derrepende senti uma ardência no meu peito cai no asfalto e vi que tinha levado um tiro, der repente minha vida passa como um filme pela minha cabeça…

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:53

    TEXTO DE ELLEN CORREA –OITAVA PARTE:
    comecei a sentir uma dor no meu braço e na minha cabeça, olhei em volta e reconheci que era o meu quarto, soltei um suspiro de alivio, foi apenas um sonho nada daquilo aconteceu. No outro dia na escola o bruno veio falar comigo, mas eu me distanciei dele, não quero que o que aconteceu no meu sonho aconteça comigo na vida real. Então fiz novos amigos, eles me ajudaram a volta a ser um bom aluno. E com o meu relato eu peço a vocês que Tomem cuidado com seus amigos. Talvez eles estejam te atrapalhando ao invés de te ajudar, por isso se a sua amizade não faz bem pra você se distancie dela!

    • by Edson P. L. postado 15/08/2018 14:50

      Ótima continuação Ellen, você foi muito criativa, o enredo está bem rico. Só uma observação, um pouco mais de cuidado com a grafia das palavras. Parabéns pela produção.

  • by Ellen da Silva Corrêa postado 09/08/2018 20:54

    PEÇO DESCULPA POR MEU TEXTO SER MUITO EXTENSO MAS EU REALMENTE ESTAVA INSPIRADA ^-^

    • by EDSON PAIVA LEITE . postado 19/08/2018 15:00

      Que bom, ter inspiração e gostar de escrever é uma coisa muito boa. Mantenha esse espirito. Sucesso.

  • by Jamilly Martins postado 09/08/2018 23:08

    HISTORIA JAMILLY PARTE 1
    O diretor pegou Léo pelo braço e o levou ate a diretoria, se sentou e começou a dizer:
    -Leonardo Santos, o que acha que esta fazendo? O senhor era um ótimo aluna e agora esta aprontando por ai, não vou aceitar esse tipo de comportamento na minha escola, sua mãe era uma aluna exemplar, você devia ser como ela, me preocupo com suas notas, todas vermelhas, pra passar de ano você vai precisar tirar 10, então estude e muito pois vai precisar. E sobre o vandalismo, vi que não foi o senhor, seus colegas são uma má influencia, devia parar de andar com esses garotos, pode ir.
    Léo foi liberado e no recreio foi falar com Bruno
    -Po Bruno, eu quase me ferrei por sua causa mano.
    -Desculpa Léo, os meninos me desafiaram e ai eu fui.
    -Serio Bruno? Baloufo besta, eles vão continuar te zoando, estavam só te usando, você me impressiona com essa sua burrice cara.

  • by Jamilly Martins postado 09/08/2018 23:09

    HISTORIA JAMILLY PARTE 2
    -Serio Bruno? Baloufo besta, eles vão continuar te zoando, estavam só te usando, você me impressiona com essa sua burrice cara.
    -Desculpa mas eu nãonsabia o que fazer.
    -Ta mas então, sabe colar?
    -Não, sou um bom aluno e estudo, não faço essas coisas.
    -Pois é bom aprender, por que vamos precisar.
    Léo vai pra casa e começa procurar formas de colar na internet, fez vários cursos online e assiste inúmeros tutoriais e ate testou as suas técnicas, passou o bimestre inteiro fazendo isso e bolou um super plano pra colar e tirar 10.
    Seu plano era sentar perto dos melhores alunos da sala, na terceira fileira e na terceira carteira, exatamente onde os melhores alunos sentavam, a professora andava pela sala e passaria na sua carteira de 3 em 3 minutos e esse era o tempo que era tinha pra copiar as questões das outras provas.

  • by Jamilly Martins postado 09/08/2018 23:10

    HISTORIA JAMILLY PARTE 3
    Era um ótimo plano, tudo perfeito e no lugar, cada detalhe arquitetado, mas ele não contava com uma coisa, o tempo que ele demoraria pra copiar as questões, ele demorou e todos terminaram a prova e ele ficou, mas faltou 1 questão e ele teve que chutar, marcou qualquer alternativa e rezou pra ter acertado.
    Ele passou dias aflito ate que as notas chegaram, Léo tirou 9,9 e acabou tendo que repetir de ano infelizmente, sua sorte foi eu Bruno ficou tentando aprender a colar ao invés de estudar mas infelizmente não aprendeu e por isso repetiu de ano e os dois tiveram que passar mais um ano na oitava serie.

    • by Edson P. L. postado 15/08/2018 15:01

      Criativo, você conseguiu usar bem a figura do narrador alternando com as falas dos personagens. Houve uma troca do substantivo aluna onde deveria ser aluno mas isso acontece. Parabéns!!

  • by Maicon Gonçalves Boeira postado 10/08/2018 14:26

    … conversou com Léo sobre o que tinha acontecido, pois Léo não conseguiu explicar para o diretor, então o diretor lhe deu uma suspensão de 15 dias e fez ele lavar o muro todo.
    Léo triste, saio da diretoria chorando, porque como ele iria explicar para sua mãe que no seu primeiro dia de aula, teria levado uma suspensão. Quando chegou em casa, ele mostrou para sua mãe a notificação da escola e falou:
    1° Parte

  • by Maicon Gonçalves Boeira postado 10/08/2018 14:27

    – Mãe, não fui eu. Quando eu estava no ônibus, vi os meninos pichando o muro, então eu desci do ônibus e perguntei o que eles estavam fazendo, e falei que era vandalismo! Quando Bruno e os amigos dele iam me responder, eles avistaram o diretor, e na mesma hora me entregaram o spray e saíram correndo, pois na hora que o diretor chegou, me viu com o spray na mão. E eu não consegui explicar para ele que não tinha sido eu.
    2° Parte

  • by Maicon Gonçalves Boeira postado 10/08/2018 14:27

    A mãe de Léo indignada, foi até a escola saber mais sobre o que tinha acontecido. Léo então explicou tudo sobre o que tinha acontecido mesmo no dia. O diretor convencido, liberou Léo para voltar as aulas. Mas disse que se as notas dele continuassem a cair, ele teria que tomar providências
    No dia seguinte, o diretor viu Bruno e seus amigos indo para o outro lado da escola. Furioso, foi até lá e os pegou novamente pichando o muro. Então o diretor deu para Bruno e seu colegas 15 dias de suspensão.
    A partir daí, Léo começou a se importar mais com as aulas, prestava mais atenção nos conteúdos e por final Léo começou a tirar notas melhores, devido ao conselho do diretor.
    3° Parte

    • by Edson P. L. postado 15/08/2018 15:24

      Gostei muito do desfecho, parabéns. Tome um pouco de cuidado ao usar a palavra pois, nem sempre ele é adequada para o contento.

  • by Gabriel Sanches Diniz postado 12/08/2018 17:57

    Quando chegou lá, o diretor disse para Leo:
    – Sente-se,
    Ainda furioso continua:
    – Você me arruma uma dessas no primeiro dia de aula?
    – Mas…não foi eu.
    – Como não? Eu te vi, sozinho lá
    Então Leo contou tudo oque tinha acontecido, mas, mesmo assim o diretor não acreditou nele.
    – Olha Leonardo, por mais que você diz que não foi você, não temos provas para provar o contrário, chamarei sua mãe para conversarmos sobre isso e também sobre o semestre passado.
    Leonardo saiu da sala do diretor com medo, porque agora sua mãe saberia do seu desempenho no semestre passado, e além disso, ficaria sabendo que estava fazendo uma pichação mesmo não tendo feito aquilo.

  • by Gabriel Sanches Diniz postado 12/08/2018 17:59

    Parte 2 “O Primeiro Dia De Aula”
    Leo chegou em casa, tomou banho, se arrumou e foi conversar com sua mãe.
    – Mãe
    – O quê que foi Leo?.
    – Hoje cedo eu estava descendo do ônibus e vi meus amigos fazendo uma pichação no muro da escola, fui falar para eles pararem porque aquilo era vandalismo, mas o Bruno viu o diretor vindo e me deu a latinha e saiu correndo. E agora o diretor quer que você vá lá na escola conversar com ele.
    A mãe de Leo percebeu que ele não estava mentindo, então só disse para ele.
    – Não se preocupe, vou conversar com ele sei que não foi você.
    – Mãe tenho outra coisa para te dizer, no semestre passado eu tirei as piores notas da sala… e estava com medo de te dizer, porque não saberia sua reação.
    – Olha isso não tem como deixar assim, terei que dar um castigo para você, mas vai ser diferente, você vai usar o tempo que você usava para ver seu programa favorito de TV para estudar, além de reservar um tempo toda tarde para isso.

  • by Gabriel Sanches Diniz postado 12/08/2018 18:01

    Parte 3 “O Primeiro Dia De Aula”
    Já era de tarde e Leonardo queria saber o porquê que Bruno fazia isso, então decidiu ir na casa dele. Quando chegou lá, viu Bruno sentado na frete da casa dele, parecia triste então foi falar com ele.
    – Bruno? você esta bem?
    – Oi Leo… mais ou menos, minha mãe e meu pai estão brigando muito, não sei oque fazer as vezes eu fico meio triste e faço pichações, é como se fosse uma terapia, me faz ficar mais calmo. Eu queria te pedir desculpas, fiquei com medo naquela hora e te dei a latinha .
    – Tá tudo bem, minha mãe me entendeu mais o diretor não.
    Naquele momento a amizade de Leonardo e Bruno ficou melhor porque antes eles só se conheciam tipo aquela pessoa que você vê e fala oi uma vez na semana. Parecia que Bruno estava realmente se desculpando, então Leo decidiu ajuda-lo dizendo.

  • by Gabriel Sanches Diniz postado 12/08/2018 18:04

    Parte 4 “O Primeiro Dia De Aula”
    – Olha, pichação é vandalismo, não faça mais isso tá! Procure outra coisa para te acalmar tipo… estudar, desenhar, tocar algum instrumento musical…
    – Obrigado Leo! Você está me ajudando muito, vou me preocupar mais com meus estudos.
    – Olha da para nós dois estudarmos juntos! Estou precisando melhorar minhas notas, eu posso ajudar você.
    -Então tá nos vemos amanha na escola.
    Leo chegou em casa tomou banho se arrumou, estudou um pouco, mas como o dia tinha sido cansativo foi dormir cedo. No outro dia, quando chegou na escola viu que bruno estava conversando com o diretor, esperou ele terminar e foi falar com ele.

  • by Gabriel Sanches Diniz postado 12/08/2018 18:05

    Parte 5 “O Primeiro Dia De Aula”
    – Oi Bruno!
    – A oi Leonardo
    – O que você estava dizendo para o diretor?
    – Depois que você foi embora, decidi que não iria deixar você como culpado pelo que eu fiz então falei a verdade para o diretor, ele entendeu e disse que eu não precisava mais me preocupar com aquilo e que não era mais para mim fazer pichações no muro da escola.
    – Nossa muito obrigado!
    Naquele momento tudo estava resolvido, agora Leonardo e Bruno eram amigos, Leo melhorou suas notas e ajudou Bruno passar por aquela fase difícil da vida dele e ainda o ensinou que pichação é crime. E agora ele aprendeu que um simples problema ou um mal entendido tinha criado uma amizade, reviravoltas mas no fim tudo tinha dado certo.

    • by EDSON PAIVA LEITE . postado 19/08/2018 15:19

      Olá Gabriel, seu texto ficou ótimo. Além da uso adequado da norma padrão, conseguiu transitar de forma harmoniosa entre as falas do narrador e dos personagens. Gostei muito do desfecho da historia, a final cada um tem a sua e muitas vezes não buscamos a raiz do problema, fazemos o mais fácil,julgar e punir. Continue assim, escrever pode ser divertido. Abraço.

  • by Edson P. L. postado 14/08/2018 00:24

    Pessoal, meu nome é Edson. Meus alunos estão relatando que postaram o texto desde semana passada mas não foi publicado. Peço por gentileza que veriquem. Obrigado.

    • by Honestinho postado 05/09/2018 11:54

      Edson, estamos com um problema de spam no site. Você pode pedir para eles postarem novamente?

      • by Edson P. L. postado 06/09/2018 00:27

        Olá, mas aqui aparece normal. Sem problema algum, precisa realmente postar novamente??

        • by Turma do Plenarinho postado 10/09/2018 11:23

          Oi, Edson! Vamos tentar resolver por aqui mesmo. Estamos buscando um modo de apagar todos os spams e achar os textos dos seus alunos. Se der certo, logo faremos a publicação.

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos