Ilustração com fundo azul. No centro, uma forma geométrica amarela com as palavras "Eleitor Mirim" no centro e a imagem de uma urna eletrônica acima das palavras. Em volta da forma geométrica estão os personagens da Turma do Plenarinho. Cada um deles tem uma urna eletrônica na frente e todos votam e sorriem.

O Eleitor Mirim tem por objetivo conscientizar as crianças sobre a importância da participação na vida política. É realizado nos anos eleitorais, com a parceria dos professores. Eles recebem uma cartilha, com textos que abordam de forma divertida os vários aspectos do processo eleitoral, como a importância do voto, a necessidade de se acompanhar o trabalho daquele que foi eleito, as possibilidades de engajamento, entre outros. Além disso, a cartilha traz sugestões de atividades para serem desenvolvidas em sala de aula. A etapa final é uma eleição fictícia, cujos candidatos são criados pelas próprias crianças. Trata-se de um exercício lúdico de cidadania, seja na criação das plataformas, seja na escolha do melhor candidato, até a votação em uma urna virtual idêntica à que é usada pelos adultos.

Por que trabalhar com o Eleitor Mirim em sala-de-aula?

A cada dois anos, a população brasileira se vê diante da responsabilidade de escolher seus representantes. E, por mais que isso diga respeito apenas àqueles que têm mais de 16 anos, ninguém fica de fora do processo eleitoral. Os candidatos estão nas ruas com cartazes, em comícios e festas. A televisão, por sua vez, interrompe diariamente sua programação para transmitir o que cada um deles tem a dizer para conquistar o voto do eleitor. Sem que se perceba, o dia-a-dia das crianças também é invadido por coisas que, a uma primeira olhada, parecem distantes delas, mas que, na realidade, precisam ser aprendidas. Afinal, a política, com o que ela tem de bom ou de ruim, afeta, desde cedo, a vida de todos.

A questão se coloca, então, é: como fazer isso? Existe uma idade certa para começar? De que modo as crianças podem iniciar um debate sobre democracia, representatividade, voto, por exemplo? Para ajudar a responder essas perguntas, a equipe do Plenarinho criou, em 2010, o programa Eleitor Mirim e propôs uma parceria para escolas e professores de todo o país. A ideia era disponibilizar, de modo organizado, o conteúdo textual desenvolvido para o portal, sugerindo atividades práticas que permitissem uma discussão dos conceitos atrelada à realidade dos alunos. Mas, como quem está em sala de aula é o professor, só ele poderia dizer se o programa era viável ou não. Resultado: O Eleitor Mirim 2010 foi um sucesso tão grande, que o Plenarinho resolveu propor novas ações para os anos seguintes.

Como funciona?

Nos anos eleitorais, o Plenarinho abre concurso para escolher as cinco escolas participantes. No Portal, dispõe uma cartilha, organizada de modo que os conceitos de representatividade e eleições sejam trabalhados primeiro, antes do período eleitoral. São textos e sugestões de atividades que permitem a formação de uma base mínima de conhecimento político, que os levará à segunda fase do programa: a criação dos candidatos pelos estudantes. Para isso, eles também deverão acompanhar o programa eleitoral gratuito e discutir, em sala de aula, o que os candidatos dizem, como defendem suas ideias e como tentam conseguir votos.

O Plenarinho prepara o programa eleitoral gratuito, formado por candidatos criados nas escolas, e abre as votações, numa urna eletrônica virtual, durante o mês de outubro, para que as crianças de todo o Brasil escolham seus candidatos.

Professores de outras escolas, para além das cinco selecionadas, também são incentivados usar o material da cartilha. Ela pode ser baixada direto do portal, e todas as orientações podem ser seguidas, exceto a do envio do candidato. Mas ele pode ser criado pela turma para uma eleição na própria sala de aula, por exemplo. Assim, todos entram nesse debate político tão importante para o fortalecimento da democracia no país.

O candidato eleito fica disponível na página do portal e trabalha como intermediador entre as crianças e o parlamento brasileiro.

A equipe do Plenarinho espera que, com a contribuição do Eleitor Mirim, as crianças estejam um pouco mais preparadas para continuar estudando e debatendo questões de teor político e democrático. Quem sabe, as crianças de hoje, ao adquirirem essa consciência cidadã, possam trazer um novo cenário à política do futuro.

Acesse a Cartilha do Eleitor Mirim e conheça as atividades e os textos propostos.

Um pouco da história do programa

A preocupação do Plenarinho em trabalhar questões relativas ao processo eleitoral começou ainda em 2006, por meio da publicação de uma eleição virtual, que simulava a eleição real. O objetivo era o de propiciar aos usuários do portal uma experiência eleitoral. Candidatos personagens eram criados, assim como seus partidos e plataformas políticas, para dialogar com o público jovem.

Em 2008, a experiência se repetiu e a participação das crianças indicava que havia espaço para se trabalhar esse tipo de conteúdo. Faltava, então, incluir o professor e a escola nessa proposta eleitoral. Foi assim que surgiu a ideia de uma parceria, onde cada um entraria com aquilo que sabia fazer de melhor: o Plenarinho com o conteúdo textual, e o professor com a sua dedicação para contribuir com o desenvolvimento do espírito cidadão de seus estudantes.

O candidato vencedor de 2010 foi o Super Ary, criado pelos estudantes de Araçatuba-SP. Ele recebeu mais de 5.000 votos. Para elegê-lo, os alunos da escola se mobilizaram e fizeram uma verdadeira campanha entre seus colegas, em outras escolas e também em seus bairros. De acordo com a professora que trabalhou com eles, a vitória no Eleitor Mirim, além de estimular os meninos a pensar politicamente, promoveu também a autoestima dos alunos. Isto porque, depois das eleições, até o prefeito da cidade foi visitá-los.

O sucesso de 2010 – os candidatos receberam juntos mais de 14.000 votos contra os 5.000 das eleições anteriores – fez com que o programa Eleitor Mirim fosse reeditado em todos os anos eleitorais.

Vencedores do Eleitor Mirim

Ano Candidato Vencedor Total de votos
2010 Super Ary, do partido PIPOCA (Partido Inteligente Contra a Pedofilia Orientando Crianças e Adolescentes), com 4.955 votos 14.193
2012 Amancinho, do partido VsM (Partido Viver sem Medo, com 27.430 votos 43.956
2014 Felicinha, do PCF (Partido da Criança Feliz), com 19.835 votos 38.408
2016 Honestinho, do PHI (Partido da Honestidade Infantil), com 8.525 votos 13.010