A história do voto

Ilustração. Em frente ao fundo amarelo e verde, Zé Plenarinho aperta um botão verde do painel de uma bancada marrom com detalhes brancos e cinzas e com vários botões: azul, vermelho, verde e amarelo.

Você sabe que hoje em dia, os maiores de 18 anos são obrigados a votar, não é? E quem tem de 16 a 18 anos e mais de 70 tem voto facultativo. Mas nem sempre foi assim.

A primeira eleição de que se tem registro no Brasil foi em 1532, na Câmara Municipal de São Vicente. Naquela época, só votavam homens, brancos, que tinham dinheiro, terras ou participavam da vida militar.

A partir de 1824, o voto passou a ser obrigatório. Mas só votavam homens com mais de 25 anos, alfabetizados e que tivessem uma renda determinada. Em 1932, foi a vez de as mulheres conquistarem este direito.

Secreto

Naquele mesmo ano (1932), o voto passou a ser secreto, para que o eleitor pudesse escolher os seus representantes com total liberdade, sem ser obrigado a votar num determinado candidato.  O voto passou a ser feito com cédulas, que são fichas de papel com os nomes dos candidatos ou dos partidos.

Universal

Em 1988, com a nossa Constituição Cidadã, que brasileiros e brasileiras com idade a partir de 16 anos puderam ir às urnas para escolher Presidente, Governador, Prefeito, Senadores, Deputados Federais, Estaduais e Vereadores.

Eletrônico

Em 1996, o Brasil se tornou o primeiro país a usar urnas eletrônicas. Elas facilitam o voto e têm teclas com símbolos em braile, para os cegos também votarem.

Deu para entender melhor por que é tão importante saber mais sobre eleição e voto?

Saiba um pouco mais sobre história do voto no Brasil clicando na imagem a seguir.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos