Todos os dias são de combate ao bullying

Ilustração: Uma sala de aula, paredes em tons claros de bege, a porta e a janela ficam do lado direito da imagem. Aparecem seis alunos divididos em duas fileiras de carteiras. Os dois últimos alunos riem e jogam bolinhas de papel nos alunos da frente, que demonstram incômodo com a situação. Na frente dos alunos, de costas para eles, aparece a professora Josefa, que não vê o que acontece na sala. Ela tem cabelos curtos e loiros, tem olhos azuis e usa grandes óculos de armação redonda. Ela usa jaleco branco por cima de uma blusa verde e segura um grosso livro laranja.

7 de abril é o Dia Nacional de Combate ao Bullying e à Violência na Escola. A data foi instituída em 2016, com a sanção da Lei Nº 13.277/2016. Mas, de verdade, o bullying é algo que deve ser combatido todos os dias.

O dia 7 de abril foi escolhido por ter ficado marcado pela tragédia acontecida em 2011, no bairro de Realengo, da cidade do Rio de Janeiro. Um jovem de 23 anos entrou armado numa escola municipal e atirou contra estudantes, professores e funcionários, matando 12 jovens com idades entre 13 e 16 anos. O autor da tragédia era um ex-aluno e há indícios de que ele tenha sofrido bullying na infância.

Bullying é coisa muito séria!

A palavra bullying tem origem inglesa e vem do termo “bully”, que significa brigão, valentão, e é usada para se referir às pessoas que intimidam, agridem e ameaçam outras, em especial no ambiente escolar.

O bullying é grave! Ainda que um apelido maldoso possa parecer inofensivo, ele, por si só, já pode provocar muito sofrimento. Além disso, é comum que depois dos apelidos, venham ofensas verbais, agressões físicas ou atitudes que colocam o outro em situações humilhantes ou de isolamento. São comportamentos tão prejudiciais a quem sofre, que existem crianças que não querem mais voltar à escola ou que, em muitos casos, entram em depressão e até se suicidam.

Cyberbullying

Cyberbullying é uma palavra que nasce da uma união entre cyber – o mundo dos computadores – e bullying. É empregado quando a internet, os celulares e outros dispositivos são usados para enviar textos ou imagens com a intenção de ferir ou constranger outra pessoa. Apesar de ser virtual, o cyberbullying tem consequências reais tão ou mais graves do que o bullying praticado nas escolas.

Diretores e professores devem estar atentos a alunos que se tornam mais retraídos e a qualquer sinal de discriminação ou intimidação em sala de aula. Os pais também devem alertar a escola se perceberem que seus filhos tiveram queda do rendimento escolar; que fingem doença para não ir à escola; frequentemente passam mal perto da hora de sair de casa; voltam da escola com roupas ou livros rasgados; apresentam alterações de humor; aparecem com hematomas ou ferimentos após a aula ou tentam se proteger colocando objetos cortantes na mochila. Todos esses comportamentos podem ser evidência de que eles estão sofrendo bullying.

para-o-educador
O Plenarinho já falou de bullying em uma revistinha e em uma radionovela. Depois de apresentá-las aos alunos, questione-os:

– Você ou alguém que você conhece já sofreu bullying?
– Como você acha que se sente alguém que sofre bullying?
– Já parou para pensar que ter plateia é um incentivo para quem pratica bullying? Teria a mesma “graça” se ninguém prestasse atenção ou risse do bullying?

Educador, vale a pena chamar a atenção dos estudantes para aqueles que, mesmo de forma indireta, reforçam comportamentos de bullying. Algumas escolas têm convidado estudantes para refletirem sobre o papel de cada um na manutenção de comportamentos desta natureza, com resultados positivos no ambiente escolar.

No caso dos agredidos, vale chamar a atenção para a importância de se procurar um adulto de confiança – professores, funcionários, a direção da escola, os pais – para pedir ajuda.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

2 Comentário(s)

  • by Thays postado 13/04/2019 18:35

    Eu estou muito contente pois recebi o material da turma do plenarinho, vou trabalhar em uma feira cultural…. Como faço para receber sempre os materiais?!
    Grata

    Thays

    • by Turma do Plenarinho postado 15/04/2019 14:09

      Oi, Thays, que bom que o material vai ser útil para você, ficamos muito felizes com esse retorno! Não temos um serviço de assinatura de revistas. Nós mandamos o material à medida que os educadores, entidades e projetos sociais solicitam, sempre de acordo com a disponibilidade do nosso estoque. Também damos prioridade ao atendimento de quem ainda não recebeu nenhuma revistinha.

      O caminho para solicitá-las é o que você já conhece – escolher as que deseja e pedir via formulário.

      Abraços da Turma.

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos