Radionovela sobre o Bullying

Fundo em tons de amarelo e cinza. Na frente, Arthur, um menino magro, cabelos castanhos e óculos está entre outros três meninos que apontam para ele e riem, como se estivessem zombando de Arthur. Ao fundo, Zé Plenarinho presta atenção no que está acontecendo e põe as mãos na cintura.

O bullying tem feito muita gente sofrer. Seus efeitos são tão graves, que tem crianças e jovens que abandonam a escola com medo de enfrentar as brincadeiras sem graça feitas por seus colegas.

Confira aqui a radionovela que a Turma gravou para chamar a atenção sobre esse problemão que ainda aflige tantas pessoas.


Roteiro 

TEC.: Crianças fazendo barulho na sala de aula. Burburinho.

Professora: Gente, atenção aqui! Vou apresentar a nova aluna da turma. Ela veio de outra cidade. Você prefere se apresentar?

Helena: (fala baixo e um pouco tímida) Oi, gente, meu nome é Helena, tenho 11 anos e acabei de me mudar para Plenarópolis.

TEC.: Risinhos de criança. As falas seguintes são baixinhas, como se estivessem cochichando para ela não ouvir.

Zeca: Hum, parece ser chatinha, hein?

Chico: E ainda é gorducha…

Fernanda: E tem olho de garrafa… hahaha!

Professora: Silêncio, pessoal. Vamos dar boas vindas a Helena.

TODOS: Seja bem vinda, Helena!

Zeca: Eu é que não falo nada com essa garota!

TEC.: Sinal de recreio.

Pedro: Oba, hora do lanche!

TEC.: Sons para o intervalo das crianças. Burburinho. Permanece ao fundo.

Zeca: Ih olha lá, a balofa tá comprando lanche.

Chico: Ela já tá muito gordinha. Que tal a gente ajudar ela a emagrecer roubando o lanche dela?

Zeca: Cara, tu tá cada dia mais esperto, hein?

TEC.: Sob BG com sons de criança, poucos segundos.

Helena: Ei! Me devolve isso! É meu lanche… Eeii!

TEC.: Personagem 1 e 2: ficam dando risada

Zeca: Hahahaha!  Você não precisa lanchar, precisa mesmo é parar de comer!

Chico: Tamo te dando uma mãozinha, num reclama, vai!

Helena começa a chorar baixinho

Zeca: Hehehe, bem feito! A bobona tá chorando.

Fernanda: Eita, Zeca, a Diretora tá vindo pra cá! É melhor você correr, se não quem vai chorar é a você!

TEC.: Passos correndo, indo embora.

Diretora: Você tá triste Helena? O que aconteceu?

Helena: Não foi nada, não, diretora.  É só um cisco no meu olho.

TEC.: Toca o sinal da escola.

Professora: Até amanhã, pessoal!

Todo mundo: Tchau, professora!

TEC.: Sons da porta abrindo e fechando. Passos lentos. BG Sons de pássaros, crianças brincando um pouco longe, ambiente urbano.

Pai: Oi Helena, chegou mais cedo hoje…?

Helena: (voz triste) Pai, aconteceu a mesma coisa nessa escola. Uns meninos roubaram o meu lanche e me chamaram de gorda! Por que sempre fazem isso comigo? Eu tenho vontade de dar um socão na cara deles!

Pai: Oh, minha filha, violência não resolve nada, só gera mais violência. As crianças que fazem isso, não aprenderam a respeitar as diferenças. Elas não sabem que independente da cor, do peso, do sexo ou de qualquer outra coisa, o que existe é uma pessoa igual a todas as outras. Tenho certeza de que se fizessem bullying com eles, eles sofreriam como você. Amanhã mesmo vou a escola conversar com a diretora!

Helena: Você disse Bulli…o quê, pai?

Dona Cristiane: Bullying. É o nome que se dá a esse tipo de atitude, quando alguém xinga ou agride outra pessoa.

Helena: Mas eu tenho medo de que se diretora brigar com os meninos, eles fiquem com mais raiva de mim.

Dona Cristiane: Minha filha, não podemos ficar parados. Eu tenho que tentar proteger você!

TEC.: A conversa continua baixinho, burburinho. BG Sons de pássaros, crianças brincando um pouco longe, ambiente urbano.

LOC.: Enquanto isso, na casa do Zeca…

TEC.: Porta abrindo e fechando forte. Passos firmes. BG Televisão ao fundo.

Pai do Zeca – Zeca: E aí filhão, como foi na escola hoje?

Zeca: E aí, pai! Foi massa, me diverti muito. Mas depois eu te conto. Vou fazer meu dever e dormir cedo. Amanhã tenho jogo de futebol na aula de educação física. .

TEC.: Todo mundo conversando ao mesmo tempo. Ambientação de sonho. BG de suspense até o fim do pesadelo.

TEC.: Zeca escuta vozes de uma multidão, não se escuta bem o quê eles dizem.

Zeca: (um pouco assustado) O que é isso? A escola só tem gordos? Até o Chico tá gordão!

Chico: Como é que é que é, seu palito de fósforo?

Zeca: Chico, sou eu, o Zeca.

Chico: Ah, você é o aluno novo… Logo vi que era um metidão!

Todo mundo: É, é um metidão, um bobão magrelão!

Zeca: Chico?

Chico: Que Chico que nada, eu é que não quero papo com uma tripa de porco que nem você. Vai procurar tua turma, ô magrelo azedo!

Zeca: Caramba, o que tá acontecendo, isso parece um pesadelo…

Chico: Aí, galera, que tal a gente dar uma lição nesse mané?

Zeca: Peraí, gente, não faz isso comigo, não, eu sou legal, me deem uma chance de mostrar pra vocês! Por favor, nããão…

TEC.: Zeca e multidão vão ficando distantes. Aqui, todos ficam falando juntos, como se estivessem provocando o Zeca, mas as vozes vão baixando até sumirem.

Zeca: Parem, parem!

Pai do Zeca: Zeca, meu filho, acorde!

Zeca: Nossa, pai, tive um pesadelo horrível!

LOC.: No dia seguinte, Helena volta ao colégio ao lado da mãe, que pretende conversar com a diretora. No caminho o Zeca encontra Helena e decide falar com ela.

TEC.: Todo mundo falando ao mesmo tempo, como quando estão entrando na escola. Passos, pouco barulho.

Pai: Bom dia, diretora. Vim conversar com a senhora porque minha filha tá sofrendo bullying aqui na escola.

Zeca aparece na porta da secretaria.

Diretora: Zeca, agora não posso falar com você. Tenho uma coisa séria para resolver.

Zeca: Eu sei, por isso estou aqui. Vim pedir desculpas para Helena. Fui eu quem impliquei com ela ontem.  Mas percebi que o que eu fiz não tava certo. Desculpa, Helena?

Helena: Tá bem.

Diretora: Hum… Já que você se deu conta do que você fez, Zeca, que tal você me ajudar a organizar uma campanha para acabar com o bullying no colégio? Vamos conversar com a sua professora e combinar como fazer?

Zeca: É… Pode ser uma boa ideia, diretora! Eu ajudo a chamar a galera. Mas a Helena vai junto comigo.

Moral da história (a ser lida por um aluno que não participou das outras falas)

Pois é, galera, a história da Helena acabou bem, mas nem sempre é assim que acontece. O bullying é um problema muito sério e que traz muita tristeza para quem sofre. Ele acontece porque muitos não aprenderam a respeitar as diferenças e não sabem que, independente da cor, do peso, do sexo ou de qualquer outra coisa, o que existem são pessoas iguais a todas as outras. Antes de xingar um amigo ou colocar um apelido nele, vamos pensar bem no sofrimento que podemos causar.

Todo mundo: ABAIXO O BULLYING!

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

5 Comentário(s)

  • by Maria Odete Cavasana Egio postado 15/08/2019 12:16

    Fantástico, estou aprendendo.a trabalhar com ensino médio

    • by Turma do Plenarinho postado 15/08/2019 13:52

      Que legal, Maria Odete! Se quiser compartilhar conosco a sua experiência, escreva pra gente! Nosso e-mail é plenarinho@camara.leg.br! Abraços da Turma

      • by Maria Odete Cavasana Egidio postado 18/08/2019 00:39

        Sim com certeza estarei compartilhando com vocês a minha experiência, estará pronta no mês de setembro.,

  • by Rosana postado 22/11/2019 00:20

    Como eu faço pra baixar o áudio?

    • by Turma do Plenarinho postado 22/11/2019 13:48

      Oi, Rosana! O áudio só fica disponível aqui no Portal, mesmo. Abraço da turma!

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos