Brasil e Japão, antiga parceria

Ilustração. O fundo da imagem é divido em duas imagens que se completam. Ao lado esquerdo está a metade esquerda da bandeira do Japão: fundo branco e metade da circunferência vermelha no centro. A outra metade da circunferência é azul, pois o dado direito da imagem é a metade direita da bandeira do Brasil. No centro da imagem, Xereta está em frente à metade azul do círculo, em pé com o corpo inclinado para frente, as mãos juntas e os olhos fechados. Em frente a ela, um menino de cabelos pretos e traços orientais está na frente da metade do círculo vermelho e também tem as mãos juntas e inclina o corpo em sinal de cumprimento a Xereta.

Em 18 de junho 1908, chegavam ao Brasil os primeiros japoneses que vinham em busca de uma vida melhor.  Atualmente, mais de um milhão de japoneses ou descendentes vivem no Brasil. Por isso, a nossa turma resolveu pesquisar, encontrar curiosidades e aprender um pouco de japonês para deixar você mais perto desse país de tradições milenares. É uma ótima oportunidade para conhecermos um pouco mais seus costumes e cultura. Preste atenção, ou como se diz em japonês: kiite kudasai!

História entre Brasil e Japão

Para entender direitinho como começou esta parceria, vamos contar uma história que começa no Brasil, no dia 18 de junho de 1908. O dia estava calmo quando o navio Kasato Maru atracava no porto de Santos, a 83 quilômetros de São Paulo, trazendo os primeiros habitantes de olhos puxados. A bordo, 165 famílias que fugiam da falta de emprego no Japão em busca de novas oportunidades e uma vida melhor aqui no Brasil. Essa vinda é chamada de imigração japonesa.

Não pense, no entanto, que essa viagem foi fácil. Foram dois meses em um barco, sem nenhum conforto. As crianças viajavam no colo da mãe; as pessoas dormiam todas juntas sobre esteiras estendidas no chão do navio, em condições nada confortáveis. Banho com água doce, só duas vezes por semana, sendo que cada pessoa só podia usar três baldes de água. Eles vieram com um sonho de conseguir um bom trabalho, ganhar bastante dinheiro e voltar rapidinho ao Japão.

Muitas dificuldades na chegada

Aqui, enfrentaram uma dura rotina e muitas dificuldades, numa cultura diferente, colheita de café por japoneses, clima nada parecido e tendo de compreender o idioma português, completamente estranho a eles. Os costumes então, nem se fale. No Brasil, era tudo tão estranho para os japoneses que foi necessário que aprendessem muito para poder viver bem por aqui. Para você ter uma ideia, em vez do banho na banheira de madeira, com que estavam acostumados, eles tiveram de tomar banho de chuveiro pela primeira vez. No lugar de arroz no café da manhã, tinham de comer pão francês. E olha que eles acham que comer pão no café da manhã não sustenta nadinha e a pessoa acaba ficando fraca.

Quando tinham saudade de sua terra, preparavam suas comidas favoritas, como arroz, soja, peixe e morango. Para se divertir, praticavam esportes como o caratê e faziam origamis (o nome é explicativo: ori quer dizer “dobrar” e kami, “papel”, então, origami é uma técnica de dobradura de papéis).

No entanto, apesar da vontade, foram poucos os que voltaram à sua terra natal. A maioria ficou para sempre no Brasil. Com o tempo, as culturas japonesa e brasileira se misturaram, os japoneses adaptaram os seus costumes à vida no Brasil. Hoje, o nosso país tem muito de Japão: ao comermos sushi, ao comprarmos uma luminária japonesa para enfeitar a casa, ao seguirmos a moda de lá e até ao assistirmos desenhos animados!

Caminho inverso

Atualmente, o Brasil praticamente parou de receber gente de fora. Agora, são os brasileiros que migram para tentar a vida em outros países, entre eles o Japão. Quem tenta uma vida melhor no país do sol nascente é chamado de dekassegui – palavra que quer dizer “trabalhadores temporários”.

Para saber mais sobre a vida de que mora lá do outro lado do planeta, a Xereta conversou com Cláudia e Bruno, que estão lá há muito tempo, e eles contaram como é a vida nas escolas japonesas. Não deixe de ler:

Vida de estudante no Japão

Bruno Kawasaki acorda às 6h30, toma um café da manhã reforçado, pega sua mochila, coloca seu capacete e vai para a escola japonesa. Ele está na terceira série que corresponde ao terceiro ano do ensino fundamental no Brasil.

Calma aí, capacete? Isso mesmo, no Japão, a maioria das crianças (de 6 a 12 anos) precisa ir para a escola de capacete (para se proteger em caso de acidentes) e não precisam usar uniforme, só quando vão fazer educação física. O que é obrigatório é a mochila (chamada randoseru), com um só modelo para japoneses e japonesas. O que mudam são as cores: as meninas usam mochila rosa ou vermelha; os meninos, a randoseru azul ou preta. Os uniformes se tornam obrigatórios para japoneses e japonesas acima de 12 anos. As meninas usam saias plissadas e meião; os meninos, calça e camisa.

Cláudia, que chegou ao Japão com apenas 7 anos, também estudou em escola japonesa e hoje é professora de japonês para brasileiros numa escola da cidade de Hamamatsu. Ela contou que no Japão as crianças de 6 a 12 anos ficam na escola até as 15 horas; a partir de 12 anos, a aula termina às 16 horas. No entanto, o horário depende da escola e das atividades realizadas depois dos estudos. Por exemplo, os japoneses acima de 12 anos precisam ficar depois das aulas porque têm atividades chamadas bukatsu. São esportes, aulas de desenho ou música.

Alunos limpam as escolas

Bruno chega à escola por volta das 8 horas, troca o sapato por uma sandália que só é usada lá dentro. Eles acreditam que o sapato usado na rua pode sujar o colégio e também escorregar muito. E, por falar em sujeira, Cláudia explicou que no Japão não são faxineiras que limpam as escolas, e sim, os próprios alunos. Existe um horário marcado para a realização da limpeza todos os dias. Para não ficar sempre com o serviço mais fácil ou mais difícil, toda semana muda o local de limpeza de cada um. São os estudantes que limpam as salas, os corredores, os banheiros e em volta da escola também.

Em relação às matérias, Bruno contou que a preferida é Ciências. Isso porque ele adora lidar com animais e mexer com plantas. Nas aulas de música, o garoto aprendeu a tocar flauta; nas aulas de esporte, joga queimada, futebol, natação eclaudia e sua turma em aulas de esporte vôlei; nas aulas de culinária, aprendeu a cozinhar batata-doce, bolo de morango e, também, já colheu o que plantou, como tomate e pimentão. Mas, espera aí! Aulas de culinária? Isso mesmo, Plenamigo. Cláudia contou que, no Japão, além das aulas de Matemática, Língua Japonesa, Geografia, História, Computação, Educação Artística e Ciências, os alunos têm aulas de Culinária, Costura e Música. Legal, não?

E ainda tem mais! Outra coisa que Cláudia nos explicou é que, na escola, é proibido usar maquiagem, brincos e pintar o cabelo e as unhas. Também é proibido andar no corredor e conversar no celular ao mesmo tempo.

Está achando tudo muito diferente? Pois saiba que o ano escolar de lá é dividido em três períodos: o primeiro, chamado de ichigakki, vai de abril a julho. Agosto é o mês de férias de verão. O segundo período de aulas, chamado de nigakki, vai de setembro a dezembro. Depois, começam as férias de inverno, que duram duas semanas. Por último, o período chamado sangakki, com aulas de janeiro a março, que termina com as férias de primavera – que duram até abril, quando começa outro ano escolar.

Aulinha de japonês

Aproveitamos que Claudia é professora de japonês e pedimos a ela que escrevesse algumas frases para ensinarmos a você um pouquinho da língua. Tome nota e saia por aí conversando com seus amigos, que tal?

Bom dia: Ohayoo gozaimasu (lê-se Orraiou gozaimasu)
Boa tarde: Konnichiwa (lê-se Konitiwa)
Boa noite: Konbanwa
Eu sou a Xereta: Watashi wa Xereta desu.
Tchau/Adeus: Sayonara
Obrigado: Arigatou
Até amanhã: Mata ashita
Eu sou brasileiro: Watashi wa burajiru jin desu.
Eu não entendo: Wakarimasen

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

4 Comentário(s)

  • by Rodrigo postado 27/06/2018 04:05

    As roupas do personagem que representa o japonês na ilustração não são japonesas, parecendo mais chinesas ou vietnamitas. Seria de bom tom corrigir.

    • by Turma do Plenarinho postado 08/08/2018 10:09

      Obrigado pelo toque!

  • by Pedro Henrique postado 31/08/2018 14:57

    Gostei da foto do Japaneis ele e bonito gostei da animacão do Japaneis

    • by Honestinho postado 05/09/2018 11:48

      😉

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos