5 de setembro – Dia da Amazônia

Fundo em tons de azul. No centro da imagem, aparece o desenho do mapa do Brasil em verde e amarelo. À frente do mapa, aparecem Zé Plenarinho, Légis e uma criança indígena, que veste uma saia bege e um colar branco. A criança está entre Zé e Légis, virados para a frente e os três se abraçam e sorriem.

Quem nunca ouviu falar da maior reserva biológica do mundo? A Amazônia – um dos mais preciosos patrimônios ecológicos do planeta – é um grande bioma, composto por diversos ecossistemas (sistema que inclui os seres vivos e o ambiente). 65% de toda a área amazônica é composta pela floresta tropical úmida de terra firme, sendo que o restante é constituído por matas de cipó, campinas, matas secas, igapós, manguezais, matas de várzeas, cerrados, campos de terra firme, campos de várzeas e matas de bambu. Toda a rede de rios, córregos, cachoeiras, lagos, igarapés e represas constituem os ecossistemas aquáticos da Amazônia. Quase 60% da Amazônia estão em solo brasileiro. Percebeu a nossa importância na conservação da floresta?

A Amazônia é um dos poucos lugares do planeta onde ainda vivem povos primitivos. As dezenas de tribos ainda existentes espalham-se em territórios dentro da mata, mantendo seus próprios costumes, linguagens e culturas. Antropólogos (pessoas que estudam a evolução do homem) acreditam que ainda existam povos primitivos desconhecidos, vivendo nas regiões de difícil acesso. Mas esta riqueza está sendo destruída pela mineração, pela exploração predatória (destrutiva) de madeira e pelo desmatamento.

Natureza em perigo

Em 2017, uma área do tamanho do estado do Rio de Janeiro, entre o Pará e o Amapá, foi liberada pelo Governo Federal para exploração mineral. Essa área é conhecida como Reserva Nacional do Cobre e Associados – Renca – e é rica em minerais como cobre, ouro, tântalo, minério de ferro, manganês. Ela estava fechada e protegida da atividade de mineração há mais de 30 anos.

Dos garimpos, passamos às madeireiras ilegais. Estima-se que cerca de 80% da extração de madeira seja realizada de forma irregular nas terras amazônicas.

Mas as queimadas para limpar terreno para o cultivo de pastos e plantações é que têm sido as principais inimigas da Amazônia. Em agosto de 2019, foram realizadas queimadas em vários pontos da floresta, causando enorme destruição. A fumaça gerada foi tanta que viajou pelos céus do Brasil, vindo parar na cidade de São Paulo, fazendo o dia ficar escuro como noite às 4 da tarde.

Quais as consequências dessa destruição?

Efeitos imediatos:

  • Morte de milhares de animais e plantas que habitam a floresta e perda de habitat das espécies sobreviventes;
  • Destruição de terras indígenas, lares de povos primitivos que vivam isolados;
  • Aumento da incidência de doenças respiratórias e alérgicas da população local, causada pela piora da qualidade do ar.

Efeitos de médio e longo prazos:

  • A grande emissão de carbono proveniente da queima das matas contribui para o aquecimento global;
  • As áreas afetadas pelas queimadas ficam mais vulneráveis a secas, inundações e outros fenômenos climáticos por falta de cobertura vegetal;
  • As árvores absorvem o gás carbônico e liberam oxigênio para a atmosfera, certo? Muito menos árvores = um ar muito mais poluído pra todos nós;
  • Já ouviu falar em “rios voadores da Amazônia”? São os grandes volumes de água que a Floresta Amazônica libera para a atmosfera sob a forma de vapor. Essa água é transportada pelas correntes de ar e é responsável pela maioria das chuvas que ocorrem no continente. Sem árvores = seca à vista!

Legislação ambiental

Várias leis orientam e disciplinam o uso da terra e a conservação dos recursos naturais no Brasil: a Lei Nº 6.938 de 31/08/1981, que trata da Política Nacional do Meio Ambiente; a Lei Nº 9.605 de 12/02/1998, também conhecida como a Lei de Crimes Ambientais; a Lei9.985 de 18/07/2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC); entre outras.

A mais recente delas é a Lei 12.651, de 25 de maio de 2012, também conhecida como “Novo Código Florestal”, que estabelece normas gerais sobre a Proteção da Vegetação Nativa, incluindo Áreas de Preservação Permanente, de Reserva Legal e de Uso Restrito; a exploração florestal, o suprimento de matéria-prima florestal, o controle da origem dos produtos florestais, o controle e prevenção dos incêndios florestais, e a previsão de instrumentos econômicos e financeiros para o alcance de seus objetivos.

Com informações das revistas IstoÉ e VejaSP, do site Brasil Escola e dos portais da Embrapa e da WWF/Brasil. 

para-o-educador

O Brasil tem assistido com preocupação às notícias sobre as queimadas na Amazônia. E as crianças estão atentas a isso!

Converse com seus alunos: o que eles sabem sobre o assunto? Quais são suas preocupações? Peça que pesquisem em casa sobre as consequências da destruição da Amazônia e apresentem o que apuraram em sala de aula, elaborando cartazes em grupo.

Como material de apoio, o Plenarinho sugere as publicações Cartilha do Meio Ambiente, que traz dicas para uma vida ambientalmente sustentável, e Turma do Plenarinho contra o Sr. Quentão, que trata do aquecimento global. Esta última também está disponível em formato de radionovela.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos