Pantanal

O Pantanal é a maior planície inundável do mundo. No Brasil, ele abrange os estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul. Parte de seu território – cerca de 38% – fica no Paraguai e na Bolívia. Nesses países, ele é chamado de Chaco. Sua área aproximada é de 150.355 km² (IBGE, 2004), ocupando 1,76% da área total do território nacional.

No Pantanal, há duas estações bem definidas: a seca e a chuvosa. Entre os meses de novembro e março, chuvas constantes fazem com que os rios da região transbordem e inundem as áreas mais baixas da paisagem, formando grandes lagos.

Como os alagamentos não são tão rápidos, dá tempo de a fauna local se deslocar para os terrenos mais elevados – com exceção dos numerosos jacarés, que ficam onde estão, pois gostam mesmo é de quando os rios estão cheios.

O bioma é muito rico em vida animal. Já foram catalogadas 263 espécies de peixes, 41 de anfíbios e 113 de répteis. Entre as aves – 463 espécies -, merecem destaque as araras, as garças, os maguaris e os tuiuiús. Já entre as 132 espécies de mamíferos, são as onças-pintadas, as capivaras e as ariranhas que chamam a atenção.

Quase duas mil espécies vegetais já foram identificadas nas paisagens pantaneiras. Na região que fica alagada durante todo o ano, crescem gramíneas. Naquela sujeita às cheias dos rios, há vegetação rasteira, com arbustos e palmeiras, como o buriti e o carandá. Já nos lugares que não sofrem inundação, vivem espécies típicas do cerrado e, em pontos mais úmidos, árvores comuns à floresta tropical.

Comunidades tradicionais

Tão admirável quanto a natureza do Pantanal é a rica presença de populações tradicionais, como as indígenas, quilombolas, os coletores de iscas do Rio Paraguai e as comunidades Amolar e Paraguai-Mirim, dentre outras. Elas influenciaram diretamente na formação cultural dos pantaneiros.

Ameaças ao Pantanal

Em todo o País, a natureza corre perigo. No Pantanal não é diferente. O bioma vem sendo muito impactado pela ação humana, principalmente pela atividade agropecuária.

Além disso, na época de seca, outra ameaça surge com força: as queimadas. Em 2020, o Pantanal atravessou a pior temporada de incêndios florestais das últimas décadas – foram identificados pelo menos 14.489 focos de incêndio. Dados do Prevfogo (Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais) apontam que 15% do bioma foi devastado pelas chamas. E o pior disso tudo: boa parte das ocorrências resultaram de queimadas ilegais, feitas por proprietários da região com o intuito de preparar o solo para plantio ou pastagem.

O Dia do Pantanal

Francisco Anselmo de Barros, o Francelmo, foi um ambientalista que dedicou sua vida à luta pela preservação do Pantanal. No dia 12 de novembro de 2005, num protesto extremo contra as ameaças que o bioma sofria, Francelmo ateou fogo no próprio corpo e acabou morrendo em decorrência disso. Em sua homenagem, a data passou a ser conhecida como Dia do Pantanal.

Com informações do Ministério do Meio Ambiente, do WWF e da revista Superinteressante

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

2 Comentário(s)

  • by VANESSA DOMINGUES NEVES postado 23/11/2020 08:34

    Queria tanto receber para da aos Meus alunos

    • by Turma do Plenarinho postado 23/11/2020 13:38

      Oi, Vanessa! Você deve estar se referindo às nossas revistinhas, certo? Nem tudo que publicamos no portal vira revistinha… de qualquer forma, neste momento, o envio de publicações impressas está suspenso até o retorno das nossas atividades presenciais (estamos em teletrabalho devido a pandemia). Abraços da Turma!

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos