Setembro amarelo: escuta e acolhimento mudam a rotina de uma escola

Há cinco anos, a equipe do Centro Educacional Gesner Teixeira (Gama-DF) desenvolve um projeto para acolher e apoiar estudantes em situações de vulnerabilidade. Os participantes têm em comum um grande sofrimento que os leva a depressão, uso de bebidas e drogas, automutilação, tentativas de suicídio. E, na escola, encontram um espaço para falar sobre suas angústias, aprender sobre suas emoções e encontrar novos caminhos a partir desse fortalecimento emocional.

Como tudo começou

A responsável por esse projeto inovador é a orientadora educacional Raquel Guimarães. Em 2014, Raquel foi procurada por 12 alunas que estavam deprimidas e costumavam se cortar no banheiro da escola. A relação de confiança que a educadora mantinha com as meninas permitiu que elas lhe contassem que participavam de grupos secretos sobre automutilação nas redes sociais.

“Eu fiquei chocada, mas falei: vou ajudar!”, relembra Raquel. O primeiro passo foi orientar as alunas a fazer exames de saúde, devido aos riscos de terem contraído doenças no compartilhamento de lâminas. A Polícia Civil também foi acionada para investigar os grupos online. Mas Raquel sentia que precisava ir além. Então resolveu botar em prática sua formação em Terapia Comunitária Integrativa. De uma forma resumida, a prática busca oferecer um espaço de acolhimento e partilha de vida para se falar das dores, problemas e potencialidades das pessoas e das comunidades.

Assim surgiu o Projeto Asa. Toda semana, esses estudantes do 6º ao 9º ano se reúnem em uma terapia de roda, onde confiança é a palavra-chave. Lá, eles podem falar sobre suas angústias sem se preocupar com julgamentos, com a certeza de que serão escutados e acolhidos. “Eu me sinto muito à vontade para falar, porque o que fica na roda não sai de lá. Eu passei por uma depressão, falei sobre isso e senti que estavam me acolhendo naquele momento. Os colegas me ajudaram e hoje eu consigo identificar quando uma pessoa está mal”, relata a estudante A., de 16 anos, que participa do projeto desde 2018.

De participantes a multiplicadores

Assim com A., os demais participantes do Projeto Asa se tornam agentes de transformação na escola e fora dela. “À medida em que eles se entendem e conseguem se relacionar de uma outra maneira, vão levar isso para a vida. Eles aprendem a conversar, passa a ser uma dinâmica familiar. Isso é o mais importante, porque estamos formando seres humanos, pessoas que precisam ter uma saúde mental plena”, argumenta Raquel Guimarães.

Mente sã, corpo são

Além da roda de conversa, os participantes contam com atendimentos individualizados no Serviço de Orientação Educacional. O atendimento para mães e pais também é semanal. Em 2018, as práticas integrativas em saúde entraram no projeto político-pedagógico da escola e, em parceria com a Secretaria de Saúde, são oferecidas atividades como reiki e automassagem, aplicadas especialmente em situações de crise. Atualmente, os professores participam de formações em yoga, ayurveda e tai chi chuan.

Resultados animadores

O envolvimento de estudantes, professores e famílias levou a uma redução expressiva dos casos de automutilação na escola. O Centro Educacional Gesner Teixeira recebeu o Prêmio Escola de Atitude, promovido pela Controladoria-Geral do Distrito Federal, em 2017 e se tornou um modelo que deve ser replicado em todas as unidades educacionais da Coordenação Regional de Ensino do Gama.

“Quantos adolescentes precisam morrer para que as pessoas tenham cuidado com eles? A escola é o lugar onde, muitas vezes, essas crianças têm a melhor comida, é o único lugar para onde conseguem sair, a escola tem um poder grande nas mãos, de salvar, de resgatar. Esses alunos têm potencial para irem onde quiserem. Estamos aqui para dar embalo para esse voo, para que eles tenham condições de alçar voos altos e lindos. Eu queria muito que toda escola tivesse um projeto como esse e pessoas sonhadoras como nós”, finaliza Raquel Guimarães, com um brilho inspirador nos olhos.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

3 Comentário(s)

  • by Luiz Morgado postado 01/10/2019 11:14

    Parabéns pelo trabalho! Que seja multiplicado e difundido por todo país.

  • by LUCIMÁRIA ALVES postado 03/10/2019 12:38

    Não quero comentar,quero pedir as revistinha sobre Conselho Tutelar do PLENÁRINHO e não sei como fazer,me ajudem por favor.

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos