Eleições brasileiras, um direito do povo

Ilustração. Fundo em tons de amarelo, com uma parte central mais clara, de onde saem rajadas em tons claros e escuros. Ao centro, Zé Plenarinho está apertando o botão de uma urna eletrônica de votação. Ao seu lado esquerdo, Xereta faz o mesmo. Ao lado direito, Légis também repete o gesto.

No Brasil inteiro, existem mais de 140 milhões de eleitores. São essas pessoas que decidem o futuro do nosso País, escolhendo os vereadores, prefeitos, deputados, senadores, governadores e o presidente da República.

É isso o que nós chamamos de eleição – uma forma de a população decidir, pelo voto, quem é melhor para administrar o Brasil. Esse tipo de sistema político é chamado de democracia, que significa “governo do povo”.

Mas, em alguns países, não existe democracia: lá, são os mais fortes e poderosos que mandam. Felizmente, a sociedade brasileira conquistou o direito de escolher os seus representantes, e isso é melhor para todos.

Que palavra importante!

Segundo o dicionário Aurélio, eleição significa: “Ato de eleger; escolha, opção; escolha, por meio de votos, de pessoa para ocupar um cargo ou desempenhar certas funções; pleito; pleito eleitoral.”

Não entendeu direito? Então, vamos lá:

Numa eleição, os eleitores precisam de várias alternativas. Cada candidato apresenta as suas propostas para resolver os problemas do País. E o povo escolhe, então, os candidatos que considera melhores. Se essas opções de voto não existirem, as eleições não podem acontecer.

As eleições são feitas periodicamente, com datas marcadas. Elas servem não só para escolher um novo líder, mas também manter no cargo os representantes que já governam, se o povo quiser continuar com eles. (Nesse caso, temos a reeleição.)

A campanha

Antes de uma eleição, os candidatos e os partidos podem mostrar as suas propostas, as coisas que já fizeram e o que irão fazer se forem eleitos. O período para divulgar essas idéias é chamado de campanha. A campanha, por isso mesmo, serve para que a sociedade conheça melhor os candidatos.

Os bons candidatos usam este período para dizer o que pensam, e não para xingar os adversários. E os eleitores devem aproveitar para pesquisar sobre aqueles ou aquelas em quem pensam em votar. É importante estar atento e aprender, desde cedo, a identificar os candidatos mais interessados em resolver os problemas do povo!

para-o-educador

Converse com seus estudantes sobre eleições. Eles sabem para que elas servem? Deixe que eles digam o que sabe e pensam sobre. Aproveite para, a partir daquilo que trouxerem para o diálogo, explicar a importância do processo de decisão e das escolhas que fazem.

Se quiser aprofundar um pouco mais a atividade, divida a turma em grupos. Peça que cada grupo discuta e defina o problema mais sério que gostaria de ver resolvido no Brasil. Em seguida, o grupo deve escrever, o que faria se fosse candidato. O problema e a proposta devem ser anotados em um papel. Cada grupo elege rapidamente um colega que vai explicar o que escreveu para toda a turma. Por fim, os alunos devem votar no problema que julgarem mais importante e que seria o primeiro a ser abordado.

Terminada a votação, discutir com os estudantes quais motivos os levaram a escolher um problema em detrimento dos outros; se foram capazes de prestar atenção nas demais propostas ou se só pensavam em defender a própria ideia; como se sentiram quando/se a sua decisão não foi a mais votada.

Esta atividade tem como objetivo permitir uma discussão sobre os cuidados necessários para realizar escolhas conscientes, exatamente como deve ser em uma eleição, quando decidimos quem são as pessoas que vão representar nossos interesses, fazer as leis do nosso país e governá-lo.

Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura "plenarinho.leg.br - Câmara dos Deputados" e não seja para fins político-partidários

Comente!

Seu endereço de email não vai ser publicado. Campos marcados com * são exigidos